Carta aos seminaristas para a santa Quaresma

ORANTE_VOLTO

Caríssimos Seminaristas,

A santa Quaresma que estamos perto de celebrar é um momento forte do ano que nos é dado para nos prepararmos a colher melhor os frutos do mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor Jesus. Esses frutos são resumidos nas virtudes que brilham no ato extremo, tremendo e sublime ao mesmo tempo, do dom do Filho de Deus, humilhado e torturado, sobre a cruz. Jesus diz: “Se alguém quer vir após mim, renegue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz e siga-me. Porque, quem quiser salvar a sua vida, a perderá; mas quem sacrificar a sua vida por amor de mim, a salvará” (Lc 9, 23,24). Essa palavra interpela todo batizado que pretende viver com autenticidade o próprio chamado a ser cristão, que é o chamado à santidade. Mas de maneira totalmente singular, exorta a ser vivida profundamente por quem é eleito por Deus para continuar a missão de Cristo Mestre, Cabeça e Pastor: “Chamou os que ele quis. E foram a ele. (...) Ele os enviaria a pregar, com o poder de expulsar os demônios” (Mc 3,13-15). Portanto, todo jovem que entra no Seminário já como batizado, e ainda mais como chamado, deve saber meditar e tornar própria essa palavra.

“Também Cristo padeceu por vós, deixando-vos exemplo para que sigais os seus passos” (1Pd 2,21). “Seguir os passos” de Cristo significa literalmente caminhar com ele, onde ele caminha, como ele caminha. É, portanto, um compromisso que deve levar em conta, já desde o início, o sacrifício, porque um dom de amor sem reservas, como é o amor do Filho de Deus por nós, não pode não encontrar dificuldades, incompreensão, escárnio, perseguição. A partir daqui, a condição de aceitar a cruz cotidianamente, se se deseja de verdade ser seus discípulos, opondo-se ao que, fora e dentro de nós, contrasta com a lei do Espírito: “Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. Porque os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. É por isso que não fazeis o que quereríeis” (Gal 5, 16-17) .

As práticas penitenciais, portanto, são um momento muito precioso de se viver para testar a capacidade de saber doar-se e, também, para “treinar-se” a fazê-lo sem reservas. A santa Quaresma é somente um desses momentos, mas é um tempo muito especial: a contemplação do Servo sofredor, especialmente com a piedosa prática da Via Crucis, nos ensina não só a aceitar, mas além disso a amar o sacrifício, se praticado por amor a Cristo e aos irmãos – sobre o exemplo de Simão de Cirene (Mt 27, 32; Mc 15, 21; Lc 23, 26) e da sabedoria centenária dos santos – como cooperação e sustento aos seus sofrimentos e ao seu plano de salvação.

Texto completo - Download

MAURO CARD. PIACENZA